Sábado, 31 de Maio de 2008

"D. Fernando Infante de Portugal" - "Mensagem"

mensagem

 Deu-me Deus o seu gládio, por que eu faça

A sua santa guerra.

Sagrou-me seu em honra e em desgraça,

Às horas em que um frio vento passa

Por sobre a fria terra.

 

Pôs-me as mãos sobre os ombros e doirou-me

A fronte com o olhar;

E esta febre de Além, que me consome,

E este querer grandeza são seu nome

Dentro em mim a vibrar.

 

E eu vou, e a luz do gládio erguido dá

Em minha face calma.

Cheio de Deus, não temo o que virá,

Pois, venha o que vier, nunca será

Maior do que a minha alma.

 

                                                                                             Fernando Pessoa

 

Este poema é um auto-retrato de D. Fernando. As marcas de discurso de 1ª pessoa são os pronomes pessoais me (vv. 1, 3, 6, 8), eu (vv. 1, 11) e mim (v. 10); determinante possessivo minha (vv. 12, 15); formas verbais na 1ª pessoa do singular: vou (v. 11) e temo (v. 13).

 

Os versos 1-3 e 6-7, entre outros confirmam que D. Fernando é retratado como instrumento da vontade de Deus.

 

O gládio simboliza o poder com que Deus investe o herói para que ele possa fazer cumprir o destino de Portugal.

 

Em consequência da acção divina, o "eu" é consumido por uma "febre de Além" (v.8). Essa febre participa, como o gesto a que conduz, da predestinação divina do herói. É algo que lhe é dado, que faz parte da sua própria condição, como ser depositário de um destino que se cumpre através dele, como acontece com D. Fernando.

Mesmo nos casos onde o grande empreendimento a que se propuseram falhou, os heróis na Mensagem mantêm viva a chama do desejo e do sonho, impulsionados por essa febre dev fazer, de descobrir, de criar, a que se juntam o seu destemor confiante por se sentirem cheios de Deus.

Dir-se-ia, em suma, que nessa "febre de Além", nessa ânsia de Absoluto, reside um dos aspectos mais importantes da exemplaridade do herói na Mensagem

 

Essa "febre de Além" impele o herói à acção - o que se concretiza na 3ª estrofe.

 

Os três últimos versos do poema exprimem o destemor e a confiança com  que o herói se lança na acção por se encontrar imbuído do espírito de Deus. Não importa se essa acção se concretizará ou não em obra feita, o que interessa é a própria acção.

 

publicado por novosnavegantes às 22:46
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|

Análise do poema "D. Dinis" da "Mensagem"

 D. Dinis

 

Na noite escreve um seu Cantar de Amigo

O plantador de naus a haver,

E ouve um silêncio múrmuro consigo:

É o rumor dos pinhais que, como um trigo

De Império, ondulam sem se poder ver.

 

Arroio, esse cantar, jovem e puro,

Busca o oceano por achar;

E a fala dos pinhais, marulho obscuro,

É o som presente desse mar futuro,

É a voz da terra ansiando pelo mar.

                                                                                   

                                                                                      Fernando Pessoa

 

mensagem

D. Dinis é caracterizado, no poema, como poeta (v.1) e como lavrador (v. 2).

 

À volta de D. Dinis é criado um ambiente de mistério, sobretudo na 1ª estrofe: o "silêncio múrmuro" que só ao rei é dado ouvir, "o rumor dos pinhais que (...)/(...) ondulam sem se poder ver", isto é, só acessíveis a sonhadores, porque só o futuro os revelará como "trigo / De Império"; na 2ª estrofe, salienta-se "a fala dos pinhais" que é um "marulho obscuro".

 

No verso dois está presente a metáfora que remete para os pinheiros mandados plantar por D. Dinis que são já, virtualmente, as naus das Descobertas - o futuro adivinhado. O rei aparece, assim, como aquele que cria condições para as navegações, como uma espécie de intérprete de uma vontade superior. Esta ideia, que põe em evidência o aspecto mítico deste "herói", repete-se nos versos 9-10 - "É o som presente desse mar futuro, / É a voz da terra ansiando pelo mar".

 

Os versos 6-7 apresentam-nos o "cantar" "jovem e puro" como um regato que corre em direcção a um "oceano por achar"; encerram, também, a ideia de que neste passado se adivinha já o futuro.

 

Ao longo do poema, encontramos diversas referências a dois ciclos da nossa História - o da terra e o do mar. Os versos que ilustram esta afirmação são: versos 2, 4-5 e 10. Estes versos conciliam os dois ciclos - "plantador de naus", "como um trigo / De Império, ondulam", "É a voz da terra ansiando pelo mar".

 

 

publicado por novosnavegantes às 21:18
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Maio de 2008

FM 69.0 mf

 No dia 23 de Abril, Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, pudemos assistir a um espectáculo inesquecível no CISE, organizado pela Biblioteca Municipal de Seia. O espectáculo com o original título FM 69.0 mf desenvolvia-se em redor do polémico, para alguns, tema da sexualidade. Os actores Cristina Cavalinhos e João Loy ao longo de uma hora falaram de sexo, "sem medo, sem pudor, sem vergonha, sem tabus...".

Foi um espectáculo muito bom, em que brincando e rindo, se falou de coisas sérias e importantes para a vida... 

 

fm

 

 fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

fm

 

 

publicado por novosnavegantes às 23:34
link do post | comentar | favorito
|

Feira das Plantas

flores

 

A Biblioteca é um espaço para livros e afins, mas como não pode esquecer dias importantes para todos nós, ela não esqueceu o Dia da Mãe, proporcionando uma pequena feira de plantas, onde todos puderam adquirir um lindo e perfumado presente, florido ou não, para aquela que desempenha um dos papéis mais importantes na vida de cada um de nós.

Homenageio, aqui, todas as Mães com alguns poemas a elas dedicados.

 

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe.

Tudo porque já não sou
o menino adormecido
no fundo dos teus olhos.

Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!

Olha - queres ouvir-me? -
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;

ainda oiço a tua voz:
        Era uma vez uma princesa
        no meio de um laranjal...

Mas - tu sabes - a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.

                                  Eugénio de Andrade, Os amantes sem dinheiro

 

 

Mãe! Vem ouvir a minha cabeça a contar histórias ricas que ainda não viajei!
Traz tinta encarnada para escrever estas coisas!
Tinta cor de sangue verdadeiro, encarnado!
Eu ainda não fiz viagens
E a minha cabeça não se lembra senão de viagens!
Eu vou viajar.
Tenho sede! Eu prometo saber viajar.
Quando voltar é para subir os degraus da tua casa, um por um.
Eu vou aprender de cor os degraus da nossa casa.
Depois venho sentar-me a teu lado.
Tu a coseres e eu a contar-te as minhas viagens, aquelas que eu viajei, tão parecidas com as que não viajei, escritas ambas com as mesmas palavras.
Mãe! Ata as tuas mãos às minhas e dá um nó-cego muito apertado!
Eu quero ser qualquer coisa da nossa casa.
Eu também quero ter um feitio, um feitio que sirva exactamente para a nossa casa, como a mesa. Como a mesa.
Mãe! Passa a tua mão pela minha cabeça!
Quando passas a tua mão na minha cabeça é tudo tão verdade! 
                                                                                        Almada Negreiros

 

Mãe,
És bela.
És a estrela que me ilumina.
És carinhosa.
Dás-me muito amor.
És muito brincalhona
E muito minha amiga...

Aturaste as minhas birrinhas de bebé.
Os teus olhos parecem estrelas a brilhar.
És querida.
Eu sei,
que, às vezes, faço muitos disparates...
Gostava que me desculpasses.
Obrigado por tudo,
Mãe

          Liliana Sofia Trindade - 3º A

 

 

Obrigado a todos aqueles que contribuiram para o sucesso desta actividade e feliz Dia da MÃE.

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

flores

 

publicado por novosnavegantes às 18:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ela canta, pobre ceifeira

. Trabalhos realizados no â...

. Trailer-Homens Há Muitos

. Semana da Leitura: Sessão...

. Francisco Salgueiro na BE...

. Trabalhos realizados no â...

. "Praia da saudade" de Fra...

. Semana da Leitura: Progra...

. Francisco Salgueiro: entr...

. Concurso Nacional de Leit...

. "Chovem papéis"

. Serão de Memórias - Escol...

. Serão de Memórias -Escola...

. Serão de Memórias - Escol...

. Semana da Leitura: Sessão...

.arquivos

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.links


Contador web
Visite nosso site Gifs Lily
blogs SAPO

.subscrever feeds