Domingo, 13 de Maio de 2007

A Intemporalidade de "Felizmente Há Luar!" de Luís Sttau Monteiro

Após a leccionação de "Felizmente Há Luar!" de Luís de Sttau Monteiro, pedi aos alunos que escrevessem um texto de opinião sobre a Intemporalidade desta obra. Surgiram textos muito bons, mas houve um que eu gostaria de ver divulgado, desejo do próprio aluno, pois quer partilhar com outros aquilo que lhe desagrada no Portugal do século XXI.

 

                                                          

 

A obra “Felizmente Há Luar!” é uma peça épica, que apela à reflexão dos leitores/espectadores, não só na forma (diferente) de representação, mas também na sociedade em que se insere a narrativa. O teatro de Brecht pretende representar o mundo e o homem em constante evolução, de acordo com as relações sociais da época, características que inspiraram Luís de Sttau Monteiro a redigir esta obra.

 

                                    0000yyec

 

 Estas características são completamente opostas ao teatro conhecido até então, que pretendia despertar emoções, levando o espectador a identificar-se com o herói. Esta nova forma de teatro tem como preocupação fundamental levar os espectadores a pensar, a reflectir sobre os acontecimentos passados e a tomar posição na sociedade em que se insere. Assim, existe um afastamento entre o actor e a personagem, entre o espectador e a história narrada, para que, de uma forma mais real e autêntica, possam fazer-se juízos de valor sobre o que está a ser representado. Luís Sttau Monteiro pretende envolver o espectador no julgamento da sociedade, tomando contacto com o sofrimento dos outros. Para isso, sabiamente, soube estabelecer um conjunto de comparações entre o período posterior às Invasões Francesas e a época em que a obra foi escrita.

Em relação à acção de “Felizmente Há Luar!”, esta passa-se nos primeiros anos do séc. XIX, no início das lutas liberais, e serve de pretexto, a Sttau Monteiro, para denunciar o presente (em que viveu) através da metáfora do passado. Escrita em 1961, no contexto social e político do Estado Novo, esta obra pretende retratar um período de opressão, ao mesmo tempo que nos cultiva, permitindo-nos o conhecimento da história do país e advertindo-nos para os problemas de um sistema repressivo.

A ditadura que se vivia no início do séc. XIX e os consequentes mecanismos de denúncia e traição, permitiram a Luís Sttau Monteiro comparar este período com o da ditadura de Salazar, na qual viveu. Evocando personagens do passado, Sttau Monteiro usou-as como pretexto para explicar o presente em que vivia. Ambos os períodos ficaram marcados pelas perseguições, levadas a cabo pela Junta de Regência (séc. XIX) e pela PIDE (o sustentáculo do regime de Salazar – séc. XX) e pela consequente tirania, opressão, censura, miséria, medo, agitação social e obscurantismo, mas a crença na mudança, essa, estava sempre presente (porque “felizmente há luar”), o que levou à revolta liberal de 1820, no tempo da História e à Revolução dos Cravos de 25 de Abril de 1974, no tempo da Escrita.

No início do séc. XIX, Portugal vivia o descontentamento do povo, motivado não só pela ausência da corte, mas também pelas dificuldades acrescidas advindas da guerra. A passividade, a opressão e o clima de suspeição que se sentia, contribuíram para a vontade de mudar, procurando um líder capaz de mudar os acontecimentos. Esse líder era Gomes Freire, idolatrado pelo povo e respeitado pelos amigos e companheiros, mas perseguido pelo Governo. Foi o sacrificado para que a mudança se pudesse dar, pois representava um enorme perigo para o Governo. Mortos pela Junta de Regência, os conspiradores e traidores do Governo (como é exemplo Gomes Freire), foram os grandes heróis de que o povo necessitava. A morte de Gomes Freire, sem provas que o incriminassem, fomentou a chegada do Liberalismo, que se iniciou no dia 24 de Agosto de 1820, na cidade do Porto, com levantamento popular liderado pelo Manuel Fernando Tomás.

No séc. XX, em comparação com o séc. XIX, surge um país espelhando as mesmas dificuldades: um povo oprimido, que necessitava de mudanças significativas. Salazar, governador de então, era disciplinador, autoritário, um ditador! Liderava o povo através do silêncio e da invisibilidade, vivia-se no escuro, na obscuridade, sujeitos a perseguições, censura e tirania. O Estado Novo de Salazar não trazia nada de novo – à ditadura da monarquia sucedia a ditadura do Estado, à Inquisição sucedida a PIDE, cujo encargo era interrogar, prender, torturar, exilar, censurar e assassinar todos os elementos perturbadores da “paz e da ordem”. 

 

                             0000xwfp

 

A Revolução dos Cravos, em 25 de Abril de 1974, derrubou a ditadura de Salazar, mas até que ponto esta revolução alterou o rumo de Portugal?

Deixou de existir censura ou perseguições, mas continuamos a viver no obscurantismo… Todos os dias temos conhecimento de manifestações de populares contra o encerramento de uma fábrica, contra a actual política do governo, contra o atraso de uma obra ou a construção de outra; todos os dias conhecemos novos arguidos em processos de corrupção, em Câmaras ou no Mundo do Futebol… Continuamos a ser um dos países mais pobres da Europa, com piores índices de aprendizagem! E o que se faz para combater estes factos? Pouco…ou nada! 

 A revolta contínua, a crença num Portugal melhor é permanente, pois existirão sempre homens e mulheres, como Gomes Freire, Matilde, Manuel ou Sousa Falcão, que batalharão contra a opressão e obscurantismo, porque “felizmente, felizmente há luar!”.

 

Ivo Correia

publicado por novosnavegantes às 22:59
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Sttau a 17 de Maio de 2007 às 22:06
U SUCK!
De Ju a 15 de Junho de 2007 às 22:39
Gostei :)
nao so por estar no 12º ano , com exames mesmo a porta , mas pela forma como esta escrito, a riqueza de vocabulario e uma breve sintese da obra que (sem duvida) me ajuda a compreender um bocadinho melhor.
De Umbus a 17 de Junho de 2008 às 00:11
Realmente um grande texto vou por no meu forum se nao se importarem, www.xtechpt.com

Este rapaz sem duvida seria ou um grande professor ou um grande escritor, parabens
De novosnavegantes a 20 de Junho de 2008 às 20:16
Era um bom aluno. Como professora desse excelente aluno, os meus agradecimentos
De SkyLive a 1 de Outubro de 2008 às 01:43
mt fixe isso
De verónica a 26 de Dezembro de 2009 às 19:55
eu tenho de dar esta obra, e fiquei a perceber algo mais.

obrigado

acho o livro e uma seca do por mas pronto...
De manzarra a 29 de Maio de 2011 às 19:25
obrigado pah ajudaste imenso
De Rodrigo a 12 de Junho de 2013 às 22:49
Ninguém põe em causa a qualidade e os conhecimentos do aluno em questão mas se era sobre a temporalidade da obra penso que não respondeu de uma forma clara ao que era pedido. Apenas nos últimos dois parágrafos fez referência a isso.
De resto nada a dizer, muito pormenorizado e completo. Excelente explicação da obra, das suas intenções e da sua contextualização.
De Rodrigo a 12 de Junho de 2013 às 22:51
Intemporalidade*
De Gertrudes a 14 de Novembro de 2017 às 21:49
Uma obra espetacular! Deveria ter mais coesão, mas de resto está muito bom.
De Afonsina Ricardina a 14 de Novembro de 2017 às 21:52
Concordo

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ela canta, pobre ceifeira

. Trabalhos realizados no â...

. Trailer-Homens Há Muitos

. Semana da Leitura: Sessão...

. Francisco Salgueiro na BE...

. Trabalhos realizados no â...

. "Praia da saudade" de Fra...

. Semana da Leitura: Progra...

. Francisco Salgueiro: entr...

. Concurso Nacional de Leit...

. "Chovem papéis"

. Serão de Memórias - Escol...

. Serão de Memórias -Escola...

. Serão de Memórias - Escol...

. Semana da Leitura: Sessão...

.arquivos

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.links


Contador web
Visite nosso site Gifs Lily
blogs SAPO

.subscrever feeds