Domingo, 6 de Maio de 2007

“Memorial do Convento” – A época de D. João V

A época de D. João V foi o período de maior fluxo de ouro brasileiro, mas o aumento da receita pública e privada não se repercutiu em transformações duradouras no plano económico, ou em modificações sensíveis na estrutura social portuguesa.

 O rei consumiu quase tudo quanto ao estado coube no rendimento das minas brasileiras na manutenção de uma corte luxuosa e em gastos enormes relacionados com o prestígio real, no entanto, o dinheiro não podia, por si só, resolver nenhum problema. A sua utilização reflectia a mentalidade e formação das pessoas que o utilizavam.

A época de D. João V caracteriza-se pela inexistência quase completa de quadros empresariais, pela falta de gente preparada para se servir da riqueza como instrumento criador de nova riqueza. Em Portugal, havia falta de elites em todos os campos: na cultura, na arte, na política, na economia. A inexistência de empresários activos conduziu ao não surgimento, nas épocas do ouro, de empreendimentos reprodutores de riqueza. O Tejo era apenas um porto de passagem de valores que afluíam a regiões de economia mais desenvolvida, produtoras dos bens que os portugueses consumiam mas não sabiam produzir. A Inglaterra foi a mais beneficiada dessas regiões.

A abundância do ouro atraiu vários estrangeiros, que procuravam instalar indústrias ou eram encorajados pelo Estado a produzirem em Portugal os bens importados. A maior parte destas iniciativas saíram malogradas por falta de organização económica.

A mais importante realização pessoal de D. João V foi o projecto de construção de um edifício gigantesco, de proporções que excediam de longe tudo quanto até então se edificara em Portugal: o Palácio Convento de Mafra.

 000106a4

 

Portugal não dispunha de técnica nem de gente para realizar esse projecto, por isso, foi necessário recorrer à importação maciça de artistas estrangeiros e obras de arte inteiramente produzidas fora do país.

 O projecto do Palácio Convento foi o do arquitecto alemão, Ludwig, que incluía um grande palácio real, um convento para trezentos religiosos e uma basílica. As obras iniciaram-se em 1717 e duraram até 1750. O rei exigiu que a sagração da basílica se fizesse em 1730, no dia do seu aniversário. Para tentar terminar a obra, foram arrebanhados todos os homens válidos da País e mandados para Mafra, amarrados. Juntaram-se, assim, em Mafra quarenta e cinco mil trabalhadores, além de sete mil soldados que os vigiavam e obrigavam a trabalhar. Com excepção da pedra de lioz, trazida de Pêro Pinheiro, tudo veio de fora.

00011pzz

A maior parte das estátuas vieram de Itália, onde foram esculpidas; paramentos, alfaias de culto, tocheiros, carrilhões foram encomendados em Roma, Veneza, Milão, na França, na Holanda, em Génova e em Liège. Mesmo a madeira de pinho para os andaimes e barracas dos trabalhadores veio do Norte da Europa. Em Mafra, estabeleceu-se um mestre italiano, Giasti, que ali trabalhou com uma equipa de discípulos italianos e portugueses. A pintura é Trevisani, Biancti, Quillard, Massucci, Corrado, Conca. Uma geração de artistas portugueses foi ali formada no gosto dos mestres estrangeiros, cuja acção se fez sentir na época seguinte com o chamado estilo pombalino.

Outros artistas vieram para Portugal, chamados pela iniciativa de construções sumptuosas. Um dos mais notáveis foi Nicolau Nasoni, italiano, que se fixou no Porto em 1731 e aí desenhou e dirigiu a construção de muitos monumentos: Igreja e Torre dos Clérigos, Misericórdia, Paço Episcopal, Palácio do Freixo, etc.

O padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão é uma figura histórica do reinado de D. João V. Foi perseguido pelo Santo Ofício por adesão ao Judaísmo. Segundo dados históricos, o seu sonho de construir uma máquina voadora saiu frustrado, nunca passou de uma utopia gorada, de um desejo fracassado. Apenas inventou um rudimentar aeróstato que conseguiu elevar-se do solo alguns metros. A passarola é uma aeronave ficcionada por Saramago e baseia-se num desenho com esse nome e através do qual Bartolomeu de Gusmão pretendia mistificar e desviar as atenções do seu trabalho para não levantar dúvidas ou suspeitas por parte da Inquisição.

 

 

Bibliografia:

CUNHA, Manuela Salvador e BASTO, Adriano. Memorial do Convento Uma Proposta de Análise. A Folha Cultural, Lisboa, 2005.

Saramago, José. Memorial do Convento. 33ª ed., col. «O Campo da Palavra», Editorial Caminho, Lisboa, 2002.

publicado por novosnavegantes às 23:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ela canta, pobre ceifeira

. Trabalhos realizados no â...

. Trailer-Homens Há Muitos

. Semana da Leitura: Sessão...

. Francisco Salgueiro na BE...

. Trabalhos realizados no â...

. "Praia da saudade" de Fra...

. Semana da Leitura: Progra...

. Francisco Salgueiro: entr...

. Concurso Nacional de Leit...

. "Chovem papéis"

. Serão de Memórias - Escol...

. Serão de Memórias -Escola...

. Serão de Memórias - Escol...

. Semana da Leitura: Sessão...

.arquivos

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.links


Contador web
Visite nosso site Gifs Lily
blogs SAPO

.subscrever feeds