Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

"Ulisses"

                        0001c04c

*      Segundo a lenda, após a vitória de Tróia e quando regressava a Ítaca, Ulisses perdeu-se no Mediterrâneo e durante essa viagem atribulada teria chegado até ao estuário do Tejo e fundado Lisboa. Assim, e porque Lisboa significa aqui metonimicamente Portugal, esta referência a Ulisses, figura mítica vinda do mar, simbolizaria o destino marítimo dos Portugueses.

 

*      Paradoxo do 1º verso: «O mito é nada que é tudo»:

 

                  «O mito é nada» porque é uma explicação fantasiosa do real, no entanto, porque explica esse mesmo real, acaba por se tornar, também ele, concreto.

 

                    O mito cria as condições necessárias para que se possa dar concretização a uma ideia.

 

*      Valor e possibilidades criadoras do mito presente na 2ª estrofe:

                  Bastou para que Lisboa tivesse o nome que tem;

                    Bastou para que o povo Português se pudesse sentir projectado para a grandeza que tem e poderá ter;

                    Foi o primeiro impulso dado a um povo que edificaria um império cuja cabeça seria Lisboa.

 

*      Valorização constante do mito:

                    Elevado pelo sujeito poético a um estatuto criador e divino («Assim a lenda escorre/ A entrar na realidade,/ E a fecundá-la decorre»).

                    A lenda, embora uma força obscura, penetra a realidade presente, infiltra-se como sinal divino na vida que fica reduzida a menos que nada e o seu destino é fatalmente a morte.

 

*      Estrutura interna: três partes:

 

                    1ª Parte: 1ª estrofe – o alcance do mito;

                    2ª Parte: 2ª estrofe – Ulisses enquanto mito;

                    3ª Parte: 3ª estrofe – o mito é imprescindível.

 

Aspectos morfo-sintácticos e semânticos

 

*      Oxímoro: «O mito é o nada que é tudo».

                        «Foi por não ser existindo. / Sem existir nos bastou. / Por não ter vindo foi vindo…»

                             Exprimem o carácter contraditório do mito.

 

*      Metáforas-Imagens: «O mesmo sol… É um mito brilhante e mudo…»;

                                   «O corpo morto de Deus vivo e desnudo».

 

                  MITO = sol brilhante que nos abre os céus e como um Deus que, parecendo morto, se revela às vezes aos homens como vivo.

 

*      Formas verbais: «Escorre» (v. 11) / «Decorre» (v. 13) = traduzem a acção duradoira e persistente do mito – aspecto durativo.

 

*      Alternância dos tempos verbais:

                             1ª Estrofe: Presente – porque se trata de uma definição;

 

                             2ª Estrofe: Perfeito – narração do nosso passado;

 

                             3ª Estrofe: Presente – porque se trata de uma conclusão: a lenda é essencial aos feitos dos grandes povos.

 

*      Formas perifrásticas: «foi existindo» (v. 7) e «foi vindo» (v. 9)

 

                             Caracterizam o processo gradual da criação dos mitos e da sua acção.

 

*      Expressão adverbial: «Em baixo» (v. 14)

                                        

                             Estabelece uma contraposição com o que o poeta afirma atrás a respeito da dinâmica do mito: «O mito abre os céus, é um deus vivo», isto é, vem do alto.

                             Mas a expressão «Em baixo» refere-se à vida desligada do mito, que, sendo «menos que nada» morre.

publicado por novosnavegantes às 23:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ela canta, pobre ceifeira

. Trabalhos realizados no â...

. Trailer-Homens Há Muitos

. Semana da Leitura: Sessão...

. Francisco Salgueiro na BE...

. Trabalhos realizados no â...

. "Praia da saudade" de Fra...

. Semana da Leitura: Progra...

. Francisco Salgueiro: entr...

. Concurso Nacional de Leit...

. "Chovem papéis"

. Serão de Memórias - Escol...

. Serão de Memórias -Escola...

. Serão de Memórias - Escol...

. Semana da Leitura: Sessão...

.arquivos

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.links


Contador web
Visite nosso site Gifs Lily
blogs SAPO

.subscrever feeds